quarta-feira, novembro 22, 2017

Os desafios do Diego em Portugal

O Diego é de Madrid e embora tenha chegado a Portugal há apenas um mês é um bom conhecedor da cultura deste seu país de acolhimento. Em Espanha combinou as aulas na Faculdade de Economia com cadeiras sobre literatura portuguesa e agora está pronto para trabalhar com crianças e jovens no marco do seu projecto do Serviço Voluntário Europeu, "Strengthen the bond of inclusion". Aos 28 anos, Diego tem ainda muitos desafios pela frente na ALEM durante os próximos 9 meses!

Quando uma pessoa acaba a faculdade enfrentas-se a um universo grande. De repente é empurrada para uma realidade à que não está habituada. O ritmo da sociedade leva-a para uma trincheira sem sequer ter balas na recâmara para as usar no casso de ela ser acurralada.

Vista esta situação de desassossego decidi apanhar um caminho secundário. Há tempo que queria morar em Portugal, país do que gosto imenso e do que há poucos anos que comecei a estudar a sua língua e a descobrir a sua cultura, e percebi que a melhor maneira de cumprir os meus desejos seria através de um projeto de voluntariado. Isto permitir-me-ia combinar a minha imersão na cultura portuguesa ao mesmo tempo que poderia realizar lá (cá) um projeto de ajuda à comunidade. Sendo assim, candidatei-me ao projeto "Strengthen the bond of inclusion" sem dúvida nenhuma.

Nunca tinha vivido uma experiência Erasmus e a minha cabeça começou a imaginar todas as combinações possíveis. Finalmente fui selecionado para este projeto de integração social das crianças através da literatura e da cultura em Lisboa, uma combinação longe da minha formação acadêmica, mas que agora sinto que está a orientar a minha futura vida profissional.

Lisboa oferece atualmente uma grande torrente de cultura e vida social, é uma cidade em efervescência e isto faz com que seja para mim uma das melhores opções onde poder fazer um voluntariado europeu. Tem fado, Português, surf, capoeira, boa comida, é acessível e próxima, assim que está a ser uma grande aventura descobri-la.


O grande desafio durante este primeiro mês tem sido conhecer as minhas colegas de casa e de vida lisboeta, cinco raparigas de origens variados: Cira da Catalunha, Andrea de Santiago de Compostela, Domiziana da Sicília, Ileana da Roménia e Nadejda da Bulgária. Cinco personalidades diferentes que seguramente me irão ajudar a revisar as minhas ideias e os meus medos e, claro, ajudar-me-ão também a evoluir a nível pessoal.


No que diz respeito ao projeto, ele desenvolve-se em várias escolas nos bairros de Belém e Ajuda, com estudantes que carecem das mesmas oportunidades que nas outras escolas. Nestes centros alunos de diferentes culturas partilham as aulas nem sempre nas melhores circunstâncias económicas, sociais ou familiares. Por causa disto a nossa função consiste em atingir o objectivo de que as crianças percebam a importância das escolas nas suas vidas, a importância que supõe a cultura como elemento de mobilidade social. Já conhecemos algumas turmas com as quais vamos trabalhar e é difícil descreve-las. A energia destes alunos é imensa, em muitos deles traduz-se em barulho e desatenção o que leva a dificultar o controlo da aula. É uma questão complicada de gerir, mas sei que esta energia se pode canalizar no sentido apropriado, nem sempre eles têm culpa do que está a acontecer.

Vamos ver como correm os próximos meses, tenho a certeza que o trabalho com os estudantes será o meu próximo desafio!



Sem comentários: